OCASIÃO-CURTA METRAGEM

14 10 2016

“Quero falar com vocês sobre meu próximo trabalho”

Sim, estou ansioso para voltar um pouquinho as origens e fazer o que eu gosto muito: cinema. Estou trabalhando em um curta metragem, com um roteiro meu e que há anos me persegue para que seja realizado, estou falando de “Ocasião”.

ocasiao

“Ocasião” surgiu da necessidade de se discutir a corrupção e suas origens, discuti-la sem hipocrisia e mostrar que infelizmente esse cancro social, faz parte da alma do brasileiro. O roteiro obviamente não é algo político ou panfletário, mas é um roteiro que relendo a luz do tempo, já que o escrevi há alguns anos, existe um pouco de cinismo, descrença e pessimismo.

A história fala sobre um rapaz dono de um sebo, que sofre com um casamento infeliz e a falta de dinheiro e vê a possibilidade de sair desse buraco, explorando uma tragédia social. É seco e intenso.

O filme contará com minha direção e roteiro e estamos no momento trabalhando no texto, nos próximos dias pensaremos na montagem da equipe técnica e em breve a montagem do cast. Posso dizer que estou ansioso e empolgado.

Quem tiver interesse, entre em contato em meu email: contato@programanamira.com.br

Anúncios




BALANÇO 2014: O SEGUNDO ANO DO GOVERNO ANA PRETO!

15 12 2014

“De esperança e sonho de melhora, ao fim do segundo ano, o Governo Preto parece um filme de horror interminável…”

Ana Preto vem fazendo um governo desastroso.

Ana Preto vem fazendo um governo desastroso.

 

Chegamos ao fim de mais um ano de Governo Ana Preto, e como faço há anos (desde o governo anterior), faço um balanço pessoal, baseado em minhas experiências como repórter e apresentador do “Na Mira: Informação Verdade”, programa local com forte identificação popular e que tem como principal característica repercutir as demandas da população mais humilde.

PRIMEIRO SEMESTRE

A desculpa sempre repetida pelos “governistas” no ano de 2013, era que o orçamento fora herdado pela Prefeita anterior e não seria adequado para seus projetos, e que no próximo ano, ai sim poderiam cobrar algo. Quando chegou 2014, a esperança de muitos era que todas as incríveis presepadas de 2013 não se repetissem, e que a Prefeita poderia ter aprendido com os “milhares” de erros cometidos e faria uma gestão melhor… Não foi o que aconteceu.

O aniversário da cidade teria como atração IVETE SANGALO, que, bizarramente, fora alvo de críticas por toda a população, que assistia uma saúde sucateada, falta de remédios, falta de estrutura e um acúmulo de dívidas com fornecedores, tais como de remédios, empresa de ônibus, médicos, empresa de lixo e terceirizadas em geral. Isso serviu para inflar os ânimos da população, que não entendia a lógica de se gastar mais de R$ 1 milhão em um evento para um dia e ainda 159 mil reais, para a “incrível” cobertura televisiva de AMAURY JUNIOR, que apresenta um programa de madrugada e tem uma audiência de, pasme caro leitor, 0,2 pontos de ibope.

Além de não trazer nada de positivo e concreto para a cidade, o “velho” Amaury, acabou virando um garoto propaganda (!?) da terra da “ETERNA JUVENTUDE”, em outdoors pagos com dinheiro público, para se fazer propaganda de projetos que não saíram do papel e dos cérebros muito criativos da equipe de (des)governo da prefeita. E como azar pouco é bobagem, Ivete teve um resfriado e teve que alterar a data do show, mas as fofocas, desmentidas pela cantora diga-se de passagem, davam conta de um possível cancelamento por falta de “tutu”. Já sem credibilidade devido aos diversos “compromissos” não cumpridos em pouco mais de um ano à frente do paço municipal, a suposta “maldade” dos fofoqueiros e a mudança de data foi o suficiente para afastar potenciais turistas para o evento… Quando Ivete entrou no palco, muitos (ligados a gestão) suspiraram aliviados e comemoram como um gol em final de copa do mundo.

Com 0,2 de ibope e digamos...Um tanto quanto experiente, esse é o garoto propaganda da terra da eterna juventude.

Com 0,2 de ibope e digamos…Um tanto quanto experiente, esse é o garoto propaganda da terra da eterna juventude.

Enquanto esse mundo de fantasia acontecia, a cidade vivia uma crise com a Intersul (empresa de ônibus), uma crise financeira, pelo que parece muitos fornecedores (quase todos) sem receber, crise na educação (umas apostilas ridículas), crise na saúde, inclusive com mais uma troca de Secretário, dessa vez o Vereador Dr. Rubens assumia e crises e mais crises para tudo quanto é lado, deixavam a cidade um verdadeiro “pandemonium” e aparentemente sem condições mínimas de melhora imediata.

Os Vereadores que deveriam fiscalizar e agir com veemência contra esse trem desgovernado, que era o governo municipal, procuravam blindar a administração, salvo raras exceções como Dr. Luiz Mauricio e André de Paula, que em nenhum momento titubearam em defender a combalida população peruibense.

Soluções esdrúxulas do ano anterior estouravam no bolso do munícipe: IPTU mais caro sem dúvida foi o que mais revoltou a população, que contrariada pela medida, deixava de pagar seus carnês com a, frisa-se: inacreditável desculpa: “Vou deixar para pagar para um Prefeito mais responsável, pois nessa daí é dinheiro jogado no lixo!”. Para o filme de terror ficar completo, os vereadores da base ainda tiveram que sentir na pele a impopularidade causada por outros (dos milhares) “ABSURDOS” como a taxa de iluminação pública.

Com um cachê como o dela, como não amar Peruíbe e dar esse "sorrizão"?

Com um cachê como o dela, como não amar Peruíbe e dar esse “sorrizão”?

Enquanto rifava os Vereadores da base sem dó e nem piedade, tanto que um tempo depois Ivo e Mohai deixaram o apoio em meados de outubro, o secretário de Governo da Prefeita, ia para a TV rebater os críticos mais ferrenhos, fazendo mais promessas, de difícil execução, é a bem da verdade, e amargavam derrotas para a oposição, como por exemplo: a impugnação da inacreditável e desnecessária reforma de 1 Km da orla da praia, chegamos ao fim do primeiro semestre, alucinante por sinal, com uma pulga atrás da orelha: será que dá para piorar?

 

SEGUNDO SEMESTRE

Já entrando nas eleições de 2014, onde o foco seria os candidatos locais à Câmara dos Deputados e fazer militância para os candidatos à presidência da República. A Prefeita continuou sofrendo com a saúde. O escândalo do “protocolão” surgiu chocando a região: a prefeitura pagava 30 horas e o médico trabalhava 24, absurdo esse revelado pelo assessor do secretário de saúde à época, o Sr. Nilson, que, ou em um pico de inocência ou com um incrível senso de justiça, decidiu jogar tudo no ventilador, nem que para isso colocasse em risco a Prefeita e o Secretário.

Após a eleição e vislumbrando retomar o barco, a Prefeita tentava se reerguer, mas seguiu levando pancadas, foram tantas que seria absurdo enumerar aqui e o pior: perderia nomes importantes da base, como o vereador Ivo e o recém derrotado à Assembleia Legislativa, Mohai, ambos gozando de impopularidade junto ao eleitorado, que não perdoara o aumento de IPTU e aprovações de inúmeros remanejamentos e embora ambos se distanciassem do Governo, como se fosse uma tatuagem, a marca Ana Preto custava a sair. A prefeita ainda perde o apoio do vice-prefeito Nelsinho e do irmão Osvaldo, que também é vereador, ambos pularam do que alguns, chamam pelos corredores da prefeitura, Titanic.

Para piorar, a Prefeita é convocada ao GAEMA e assina uma TAC – termo de ajuste de conduta, onde se responsabiliza, inclusive patrimonialmente, pelas melhorias exigidas pelo Ministério Público, GAEMA e CETESB sobre a questão do nosso lixão, caso não cumpra no prazo estabelecido, ela corre o risco de responder por improbidade e pagar as multas do próprio “borso”.

Sem vice, sem base e sem perspectivas de vitória para a câmara, tendo em vista que uma eleição à presidência batia na porta. O articulador Paulão, agora ex-secretário de Governo, mas ainda poderoso nos bastidores, voltou a cena e movimentou as peças, importando “talentos” oriundos do “PSB” e que vinham se posicionando como “oposição ao que está aí”, e incrivelmente, com os novos “apoiadores”, conseguiu eleger o Presidente, dessa vez Rafael do PMDB, que venceu Luiz Maurício no pleito.

Eis que chegamos a mais um fim de ano com a saúde debilitada, sem dinheiro, o Governo buscando desesperadamente através de sessões extraordinárias na câmara, conseguir remanejar dinheiro para fechar o ano e tendo dificuldade de pagar a folha de pagamento, lembrando que em alguns meses do ano, se não fossem os famigerados remanejamentos, isso não seria possível. Além disso, com uma programação de fim de ano e de Verão, pífias, a marca principal do Governo Preto nesses dois anos é a da desilusão.

2015 está chegando, as movimentações visando 2016 já começaram e melhoria que é bom para população, nada. Desesperada, a Prefeita e sua equipe fizeram alianças com outros políticos igualmente desesperados, muitos deles, que perderam o rumo já na eleição desse ano, e tentam a todo custo se manter em evidência.

Nos bastidores Ana diz que não será candidata à reeleição e eu acredito, afinal seria necessário um milagre e muita cara de pau para encarar a população, após uma gestão desastrosa como a que ela vem liderando. E a tendência é que tenhamos um 2015 ainda mais desgastante para a mesma, para a base e para os políticos que a rodeiam, tentando a tudo custo manterem-se de pé na ponta do Titanic, que já bateu no Iceberg, mas apenas esqueceu de afundar. Para desespero da população, dá até para escutar “My heart will go on” tocando ao fundo, transformando tudo numa ópera brega e de extremo mau gosto, onde quem paga o pato, é sempre a população.

Um horror, um horror…

É pau na lomba!





COMANDANTE, DE RORY CARROLL

14 12 2014

“Uma forma de entender o fenômeno Hugo Chavez, a Venezuela e a América Latina…”

Carismático, Chavez reprsentou o povo como poucos...Mas era péssimo gestor!

Carismático, Chavez representou o povo como poucos…Mas era péssimo gestor!

Após início de férias, muitos livros que estavam parados com marcadores de páginas posicionados no meio deles, demonstrando que faltavam algumas folhas para a conclusão, em um a pilha de compromissos de “leituras”, começam a ser eliminados um a um, e dentre eles, está uma obra que me apaixonou, “O Comandante” de Rory Carrol, que faz um panorama jornalístico sério e preciso sobre os anos de Hugo Chavez, El comandante, frente o governo venezuelano.

O Irlandês Rory Carroll, foi correspondente do The Guardian no país e deu uma aula de jornalismo ao procurar racionalizar o movimento “bolivariano” e ascensão, e porque não dizer: queda do líder que como político era um verdadeiro gênio, carismático e de rápidas respostas, mas como “ADMINISTRADOR” público, mostrou-se desorganizado, ruim e mais preocupado com caprichos e ego pessoal do que dar um padrão de gestão ao país.

A obra lançada no Brasil, tem belo acabamento e soberba tradução!

A obra lançada no Brasil, tem belo acabamento e soberba tradução!

A obra acerta em manter um tom imparcial, o que é surpreendente, tendo em vista que Carroll teve uma situação estressante e nada animadora em sua participação no programa “Alô Presidente”, ferramenta televisa da qual Chavez fazia, e muito bem, uso e caso o jornalista, quisesse uma “vendeta”, o momento seria esse, o de sua obra, mas ao contrário do líder do bolivarianismo na América Latina do século 21, Carroll está preocupado em fazer um registro histórico e não pessoal, uma ferramenta ímpar para consulta histórica e tem grande sucesso na empreitada.

Em um primeiro momento, acompanhamos todo o clamor e empolgação do mundo com a eleição de Chavez, a volta de um comandante que tentou, anos antes, um golpe fracassado, mas que aproveitara seus 2 minutos de TV para posicionar-se como futuro político, e mesmo tendo passado anos preso, fora conduzido ao poder pela união das forças de pequenos partidos de esquerda. É simplesmente emocionante.

Vemos um político preocupado em governar para os pobres, criando conselhos “comunitários”, programas sociais e subsídios que visavam uma melhoria na dignidade dos mais humildes, e isso Hugo Chavez fez com sucesso. Vemos um homem carismático que como poucos políticos, tinha o poder de conversar com o povo e entender suas ânsias, justamente por ter sido povo e também, claro, por uma qualidade quase única em se expressar.

Jornalista encara a fera: no programa do Presidente, preparo não impediu de Rory Carroll ser esculachado!

Jornalista encara a fera: no programa do Presidente, preparo não impediu de Rory Carroll ser esculachado!

Mas em meio a tudo isso, vimos um político que se abdicou em otimizar o sistema burocrático da máquina estatal, usando-a para simplesmente se manter no poder, em prol de uma revolução que no papel era linda, mas na prática um verdadeiro desastre. Um aparelhamento do Estado de forma desorganizada e desordenada, dificultava o avanço de projetos que exigiam um pontinho a mais de complexidade, tendo em vista, que esse aparelhamento visava simplesmente reproduzir as ideias amalucadas de Chavez, que em um momento tinha um projeto e no outro já o abandonava e corria para outro, dando quase nada de liberdade de trabalho a seus ministros e simplesmente onerando os cofres públicos, abastecidos pelos petrodólares.

O petróleo, que em outros tempos fora importante participe no orçamento nacional, estimava-se 80%, no meio do Governo, já estava em 96%, e operando no vermelho, devido aos poucos investimentos tecnológicos na área e a reestatização de muitos setores, que acabaram, anos depois, sucateados e exemplos claros e notórios de um socialismo desorganizado, aliás, desorganização foi uma constante.

Conexão com o povo mais humilde e carisma, fizeram de Chavez um líder imbatível nas urnas!

Conexão com o povo mais humilde e carisma, fizeram de Chavez um líder imbatível nas urnas!

Em meio a todo esse cenário, nos deparamos com temas caros a América Latina: corrupção, inflação, violência, manipulação de mídia e economia indo a bancarrota e um Governo, que se perdeu no caminho. O livro mostra a degradação da esperança, de um projeto, Chavez em seus dois primeiros mandatos mudou a vida dos pobres, criando uma base eleitoral forte que possibilitou o mesmo a descumprir promessas, como o de ter apenas um mandato, e mais: mudar a constituição para se manter no poder ad-infinitum, se não fosse o imponderável da vida, que lhe deu um câncer que colocou um ponto final em sua história.

Simón Bolívar, revolucionario foi alçado ao patamar de "Santo" por Hugo Chavez.

Simón Bolívar, revolucionario foi alçado ao patamar de “Santo” por Hugo Chavez.

Após a morte de Chavez, presenciamos hoje na América Latina, a decadência do Chavismo, que entre outras coisas, minou o estado, a ponto de o país estar à beira da guerra civil. O homem que inspirou os líderes da América Latina, criando um movimento, hoje se tornou uma paródia do próprio projeto e líderes no Brasil, Uruguai, Bolivia, Paraguai e Equador, que tinham sido “influenciados” pelo mesmo, seguiram um outro caminho, mais democrático e entre erros e acertos, parecem terem se saído melhor que o mestre.

O que acredito, é que, talvez se Chavez tivesse ficado no primeiro ou segundo mandato, teríamos uma visão diferente sobre seus anos à frente do País e uma história melhor para a Venezuela, que mesmo com uma reserva milionária de petróleo, é o exemplo claro do que a má gestão pública faz a longo prazo.

Uma grande leitura e um fim deprimente, para o sucessor de Simón Bolivar.

É pau na Lomba!





O Metrô ainda é uma grande alternativa

13 06 2014

“Temos um País inteiro para construir…”

metro-sp

Um dia após o retorno das atividades normais do Metrô de São Paulo e à véspera do inicio da tão polêmica Copa do Mundo, precisei ir a São Paulo buscar um equipamento que estava em manutenção. Como meu saco para o trânsito caótico da cidade já foi para o espaço há muito tempo, optei por ir e voltar de Van (Peruíbe a São Paulo) e consequentemente, fazer as coisas através do Metrô.

Ao entrar no Metrô, que tem uma série de denúncias envolvendo corrupção em todas as esferas, percebi que tudo estava tranquilo, mesmo com o clima de caos que pairava no ar. Logo, dentro do vagão, fui do Jabaquara à Estação São Bento (que é a que deixa mais próximo da Santa Ifigênia).

Durante o percurso, que deve ter durado aproximadamente uns 20 minutos, e ouvindo informações em inglês através dos falantes e reparando em todas aquelas pessoas fazendo uso do serviço e imaginando a história de cada um, comecei a refletir sobre o serviço.

É incrível que o Governo do Estado e porque não dizer, Governo Municipal, não fizeram um planejamento sério e objetivo, para ampliar consideravelmente o Metrô. Com o trânsito caótico e todas as ideias (escassas) para saná-lo, é inconcebível imaginarmos que a solução para o problema existe há anos e nossos Gestores não se preocupam com isso, mas sim em colocar mais e mais pedágios nas estradas.

Moderno, eficiente, rápido e confortável, pelo menos quando não está muito cheio, o Metrô é uma alternativa civilizada, sustentável e brilhante para descongestionarmos o nosso trânsito, melhorarmos a situação da poluição de São Paulo e a qualidade de vida do cidadão, que se sente seguro dentro desse equipamento público.

Ao constatar a ineficiência de nossos Governantes em levar as questões a sério e ver que por todo o Brasil ainda existem muitas coisas básicas a se fazer, chego a conclusão que esse País ainda tem muito a construir para melhorar a vida da população; o problema é que no meio do caminho, muita propina ainda será distribuída.

É Pau na Lomba!





O CAMPEÃO FOI DERROTADO OU TEVE SUA PRIMEIRA VITÓRIA?

12 06 2014

“Mohai pode ser peça chave para a oposição…”

 

Estaria Mohai pronto para "municiar" a oposição?

Estaria Mohai pronto para “municiar” a oposição?

A saída do Vereador Mohai da liderança do Governo Ana Preto (PTB) de Peruíbe, está sendo enxergada por alguns, como uma derrota do Vereador, forte defensor do péssimo Governo até o presente momento e um soldado fiel em votações polêmicas e que, de certa forma, atingiram muito negativamente sua imagem, cito como exemplos, o caso do remanejamento para os uniformes escolares, que na época não vieram e o descalabro HISTÓRICO aumento de IPTU.

Dito isso, Mohai, conhecido por todo o Brasil como o Homem do Strongman e o mais forte do mundo, campeão em diversas competições e um empresário de sucesso na cidade, quando eleito, parecia que seria mais uma vitória em sua vida e que ele faria muito pela cidade, pois o raciocínio de alguns correligionários (ou ex, dependendo com quem você fale), era que, se sem grana e apoio público, ele levou o STRONGMAN para um patamar gigante no País, saído da pequena Peruíbe, imagine com condições de apresentar projetos ao poder público e com um possível e irrestrito apoio da Prefeita…

Mas nem tudo foram flores para o Campeão Mohai, com a difícil missão de liderar na câmara o sofrível Governo Ana Preto; ele viu sua popularidade de campeão ameaçada, muito possivelmente pela inocência de um primeiro mandato e das decisões ruins do Governo, que tiveram sua anuência, relembro novamente o caso do IPTU.

Bem, quando a convite do ex-deputado Eymael  e do partido PSDC, o qual ele faz parte, foi chamado a se lançar como pré-candidato a Deputado Estadual, a coisa começou a complicar. Pré-candidatura aceita, quando começaram as articulações em busca de apoio, esbarrou na negativa do Governo e seu grupo, segundo as más línguas, uma ignorada “federal” do Governo.

Não obstante, logo em seguida, na imprensa o rumor da saída dele do posto de confiança do governo e da chegada de Ricardo Côrrea como líder, deixou a situação mais delicada ainda, tendo em vista que fora bem deselegante a história ter vazado e as ações de Ricardo como líder terem começado, sem um pronunciamento oficial.

A coisa estava tão articulada, que, quando estourou a denúncia contra o vereador Rafael na imprensa local e principalmente, no programa “Na Mira: Informação Verdade” (Clique aqui para ver), quem coordenou, com sucesso, diga-se de passagem, toda a situação, fora o vereador petista e Mohai já tinha sido deixado de lado.

Todo esse cenário dá a impressão que Mohai, desprestigiado politicamente em um grupo que liderou por tortuosos 18 meses, saía derrotado politicamente, até certo ponto traído, mas é ai que eu começo a enxergar as coisas já de outra forma.

No tempo que passou como líder da Prefeita, Mohai observou atentamente diversos pontos fracos e erros de gestão, tendo, possivelmente, um arsenal fenomenal para minar o governo, caso opte por agir na oposição. A oposição, desorganizada por sinal, vê nessa possível ida de Mohai para o diminuto bloco oposicionista, uma forma de dar mais consistência e substância para se trabalhar nos próximos meses, apostando nessa possível virada de postura do Vereador.

Mohai construiu uma carreira esportiva ilibada, um exemplo de sucesso e inspiração para muitos jovens esportistas humildes; quando do governo, afastou parte desse público que o admirava. A aposta é que na oposição, seu jeito bonachão e popular, providenciais no período de campanha em 2012, retorne e o coloque como um dos protagonistas da cambaleante oposição ao Governo Preto, que mesmo sendo considerado por muitos, um dos piores da história, vem se aparelhando politicamente, visando uma famigerada e imaginável (pelo menos por hoje) reeleição.

A saída de Mohai da liderança do Governo pode ser enxergada como uma vitória para o Vereador, embora nem ele e seu grupo enxerguem dessa forma, e se agir corretamente e estrategicamente, pode, fatalmente, garantir até mesmo uma reeleição. O campeão voltou… Será?

 

É pau na lomba!





REPORTAGEM DO FANTÁSTICO DESTACA A CORRUPÇÃO

10 06 2014

“Um personagem fictício que você já ouviu falar…”

Como ganhar uma eleição? Essa pergunta é uma constante na cabeça de potenciais candidatos por todo o país, aos mais diversos cargos, sejam para representar sua comunidade e prestar um serviço de cidadania e civismo, ou mesmo para interesses pessoais  – o qual infelizmente, é o exemplo da grande maioria.

No ultimo domingo, o programa FANTÁSTICO, da rede globo, que estava devendo uma grande reportagem já faz algum tempo, nos apresentou um verdadeiro manual para se ganhar as eleições… Só que na desonestidade e canalhice.

O que mais me preocupou ao assistir a reportagem, que usou um personagem fictício, mas que representa bem nossa realidade, é que o sistema podre da corrupção, já se transformou basicamente em uma convenção política, um sistema que é quase impossível não esbarrar, caso planeje representar a população.

E o que deixa a coisa mais triste é vermos como quem mais precisa de um serviço público eficiente, é usado como massa de manobra, voto de cabresto, para que os políticos corruptos possam viver uma vida de luxo e esbórnia, com o dinheiro do contribuinte, claro…

A população anseia por mudanças, mas o nosso debate ainda está muito raso, pois estamos procurando nomes e não pensando no principal: O SISTEMA. Pois, se continuarmos com esse sistema predatório, que basicamente fomenta a corrupção, fica muito difícil, de fato, mudar os rumos da nossa política.

A população precisa de um serviço público de verdade.

#ÉpauNaLomba

Quem não viu, veja a reportagem logo abaixo:





A BIOGRAFIA DO ZÉ DIRCEU

5 01 2014

Já faz um bom tempinho, tenho concentrado minha leitura em biografias. É uma paixão adquirida recentemente e está virando quase uma obsessão, na lista de espera, tenho desde JK (O nosso Juscelino), passando por Hillary Clinton, Hitler e Chatô.

Recentemente, a biografia que devorei, até mesmo para entender melhor todo um processo que muitas vezes sai deturpado pela mídia, é a biografia do ex-chefe da Casa Civil e homem forte do governo Lula: Zé Dirceu.

Dirceu diz que tem muito a contar, mas só depois dos 80!

Dirceu diz que tem muito a contar, mas só depois dos 80!

Escrita por Otavio Cabral e com uma narrativa forte e envolvente, vemos a história de um dos homens mais poderosos de nossa política. Da ascensão a queda, se é que podemos dizer que chegou a queda de Dirceu, pois como diz um amigo, a política é dinâmica e tudo pode acontecer.

Mas o que entendo, lendo a biografia, é que Zé Dirceu virou sinônimo de uma prática que infelizmente, é corriqueira, o chamado Mensalão. Não se engane, essa prática é comum por todo o Brasil e muitos criminosos, sim, criminosos, pois isso nada mais é que um ato de corrupção que assola e degenera toda uma estrutura democrática que em tese, deveria servir para beneficiar as pessoas, muitos mesmo, fazem uso dela.

O grande líder estudantil do passado, foi um dos homens mais fortes do País durante 30 meses!

O grande líder estudantil do passado, foi um dos homens mais fortes do País durante 30 meses!

A chamada “GOVERNABILIDADE” tanto alardeada pelos políticos cria essa situação esdrúxula e tão corriqueira em nossa política. Em tese, funciona assim: o político que está no poder, sentado na cadeira do executivo, precisa fazer seus projetos avançarem, sejam projetos que beneficiem a população ou projetos que beneficiem o “borso” próprio. Para isso, precisa ter um apoio considerável, principalmente de alguns oposicionistas (não necessariamente, isso que é bizarro), ai os caras vão lá e “moíam” o “borso” desses políticos para que eles os apoiem em seus projetos.

Viram o absurdo da coisa? Você escolhe alguém para lhe representar, paga polpudos salários e benesses e o cara ainda quer o chamado “por fora”?

O mensalão foi o reflexo do que acontece Brasil afora, não apenas no PT, mas em grande parte dos partidos, principalmente os chamados fisiológicos. Temos o “mensalão do DEM”, o “mensalão do PSDB” e mais outros, que sequer imaginamos.

Banqueiros, deputados e empresários fizeram parte do esquema em busca da tal "GOVERNABILIDADE"

Banqueiros, deputados e empresários fizeram parte do esquema em busca da tal “GOVERNABILIDADE”

Tudo em prol da chamada “Governabilidade”.

Quem é o prejudicado em tudo isso? O povo, pois dia a dia vemos ir para o ralo bilhões e bilhões que poderiam ser usados para a melhoria da vida do Brasileiro, que precisa esperar horas na fila do SUS para um atendimento rotineiro e meses e anos, para um simples exame.

Sim, a prisão de Zé Dirceu e a trupe, ou Gangue, dependendo do ponto de vista, é um bom exemplo para o País. Mas precisamos de mais exemplos meus amigos, mais exemplos pelo Brasil afora, por diversos municípios que adotaram e mantém essa prática na maior cara de pau.

Chegou a hora do Judiciário, o MP e a PF pegarem pesado contra a prática, que na verdade não pertence apenas a Zé Dirceu e seus asseclas, mas pertence a um sistema nefasto implantado há séculos, desde que o Brasil é Brasil, tornando-se quase um conceito. Acreditem, essas prisões não resolvem o problema nem em 0,0001%, o caso SIEMENS, que envolve o PSDB que o diga.

É pau na Lomba!